A ESTANTE DE GUSTAVO BERNARDO


ficção cética



SOBRE A FICÇÃO CÉTICA

Antônio Carlos de Mello

 

Para o senso comum (eufemismo que usamos para designar os que não são sábios como nós), cético é aquele sujeito que mesmo com os economistas apontando os “excelentes indicadores de nossa economia atual” diz “não sei não, basta uma borboleta bater asas na chamada conjuntura internacional...”. Ou seja, o cético é um desmancha-prazeres. Mas, longe disso, o livro A Ficção Cética, do professor e escritor Gustavo Bernardo, é um espalha-prazeres.

Gustavo Bernardo escreve muito bem e tem seu trabalho reconhecido. Foi finalista do prêmio Jabuti por três vezes e em categorias diferentes: romance, literatura infanto-juvenil e teoria da literatura, quando recebeu menção honrosa pelo ensaio A dúvida de Flusser. Sabe o que faz e como faz. Por isso, todo aquele que gosta de literatura, das palavras e dos personagens, mas também da história e das pessoas nas ruas, do eterno embate da filosofia com a Dama-Ciência; todo aquele que gosta do contraditório e da pluralidade, que aceita e convive bem com os opostos, vai gostar do livro.

A Ficção Cética trata das relações entre filosofia e literatura. Dividido em nove capítulos, o livro desenvolve e historia o ceticismo, desde Pirro, estabelecendo relações entre esta escola do pensamento e a literatura, ou, mais apropriadamente, a ficção, passando por autores que jamais freqüentariam as listas de mais vendidos ou receberiam prêmios nos dias de hoje, como Machado de Assis, Shakespeare, Lewis Carroll, Borges, Descartes, Sextus Empiricus, Flusser, Wolfgang Iser, Kierkegaard, Bertrand Russell, Montaigne e tantos outros. Embora seja fundamentalmente um ensaio, o livro além de muita informação tem muita ação e pode ser lido tranqüilamente como um romance de idéias. Porque é um estudo rigoroso e erudito, mas sem ranço, afetação ou pompa. O autor, vê-se, gosta e domina o assunto e sente prazer em compartilhar o conhecimento conosco, leitores.

Em pouco mais de 250 páginas, Gustavo, que é professor de Teoria da Literatura na Uerj, investiga a realidade na ficção e a ficção na realidade; as “mentiras sinceras que interessam”. A tese central do livro, parece-me, é que o ceticismo talvez apresente a melhor postura diante da ambigüidade, da diafonia das múltiplas realidades e teorias que buscam explicá-las.

No último capitulo, como um samurai que recolhe a espada após os combates; ou como um ator que, após uma longa temporada, retira pela última vez a maquiagem do personagem que não mais interpretará; ou ainda um escritor que põe o ponto final num romance que o consome há anos, Gustavo nos convida e nos incita a uma reflexão. Que não vou dizer qual é para não tirar o prazer da descoberta.

O livro não tem contra-indicação e ainda apresenta um efeito colateral desejável: é um brevê contra toda essa literatura previsível que está aí, de autores que se autoproclamam profissionais, filhos diretos das escolas e cursos profissionalizantes de escritor, que pregam a rotina burocrática de trabalho, janelas fechadas para o vento das ruas, compiladores do google, apoiados por bolsas nas duas pontas – criação e premiação - e que por conta disso vêm recebendo prêmios e resenhas elogiosas (muitos delas compradas de escritores famosos) para seus textos insípidos, inodoros e grudentos como chicletes de chuchu.

Também serve de brevê contra a tentativa de se estabelecer um pensamento único no país, já desenhada na famigerada lei da mordaça, na tentativa da criação de um conselho de imprensa, de uma receita de conteúdo para patrocínios oficiais e benefícios das leis fiscais, que culminou agora com a inacreditável proposta de nosso presidente de que todo brasileiro agisse como o “mendigo feliz” que ele conheceu num livro de auto-ajuda. Nesse sentido, A Ficção Cética é de alta ajuda, porque enquanto os livros de auto-ajuda oferecem respostas, certezas, fórmulas e previsibilidade, o livro de Gustavo defende e propõe perguntas, dúvidas, rascunhos e inquietações. A vida, o devir, como se. Imperdível.


e-mail : gustavobernardokrause@gmail.com